Devo ou não retirar a lactose da dieta?

A lactose é um carboidrato presente no leite, formado pelos monossacarídeos glicose e galactose. Para que a lactose seja digerida e absorvida é necessário uma enzima chamada de lactase. Estima-se que 2/3 da população mundial tenham redução dessa enzima no intestino delgado, o que resulta na dificuldade de digestão da lactose (intolerância a lactose).

O diagnóstico de intolerância à lactose é determinado com o teste de tolerância oral a lactose, após o paciente apresentar sintomas relacionados a doença como, dor, inchaço abdominal, flatulência e diarreia após consumir produtos ricos em lactose. Uma vez diagnosticado, deve-se retirar a lactose da dieta. Alguns pacientes intolerantes à lactose conseguem metabolizar uma certa quantidade de lactose por dia. Essa capacidade é individual, mas de forma geral representa 12 gramas de lactose por dia.
De acordo com a Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (SBAN): a limitação do consumo de alimentos que contém lactose deve ser exclusiva para indivíduos com intolerância e não deve se estender para o restante da população. Ainda de acordo com a SBAN, não existem benefícios para saúde comprovados cientificamente que respaldem a retirada do leite e derivados para pessoas não intolerantes à lactose sobretudo para adolescentes e adultos jovens, que possuem alta demanda por cálcio e proteína. Além disso, para os intolerantes, a restrição deve ser realizada de forma individual e observando a tolerância.
A retirada de leites e derivados da alimentação pode comprometer muito a ingestão do cálcio, presente nesses alimentos. O cálcio é um mineral que exerce diversas funções no organismo, principalmente em relação a saúde dos ossos e músculos, e sua demanda diária é alta.  Apesar de existirem outras fontes de cálcio, como os vegetais verde-escuros, nesses alimentos a biodisponibilidade do cálcio é menor. Felizmente a indústria alimentícia tem apresentado mais produtos sem lactose (lacfree) e isso facilita a manutenção da ingestão do cálcio presente nos leite, queijos e iogurte sem lactose.
Portanto, só há necessidade de restringir a lactose se houver intolerância e, nesse caso, deve-se manter o consumo de produtos lácteos sem lactose (lacfree) para manter uma ingestão adequada de cálcio e proteínas de boa qualidade.
Referência:
SBAN. Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. Intolerância à Lactose e Consumo de Leite e Derivados Lácteos. São Paulo. 2014.
Autores:
Fernanda Vidal e Thiago Onofre

Deixe uma resposta